Confusão em Justificativas comprovam erros de jurados no carnaval de Corumbá

capa notas erradas
Erros em justificativas dos jurados gera questionamento sobre o resultado do carnaval

Corumbá (MS)- A revolta que já era evidente entre a maioria das escolas de samba do Carnaval de Corumbá, após o resultado espantoso da apuração dos desfiles do grupo de acesso e especial, se acentuou ainda mais, logo depois da entrega do que deveria ser as justificativas elaboradas pelos jurados para que se chegasse ao resultado apresentado. Os ânimos que já não eram dos melhores “azedaram” por completo quando, ao observarem as comprovações do júri que avaliam as performances das escolas, foram encontrados erros cômicos, que além de lesar as agremiações, colocam em contestação a qualificação dos jurados que, segundo anunciado pelo presidente da Liga das Escolas de Samba de Corumbá (Liesco) Waldir Padilha, seriam integrantes do corpo de jurados ligados a Liesa (Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro).

Jurados tiraram pontos da Mocidade por ala que seria da Pesada / Foto: Erik Silva

Para se ter noção de tamanho despreparo, em uma das justificativas, o jurado relatou ter retirado pontos da Mocidade Independente da Nova Corumbá, pois segundo ele “Nesta escola houve um espaço de 30 metros aproximadamente entre o primeiro grupo de composição e o primeiro carro, assim como um componente da ala – Brinquedos Modernos: os Games Over- tirando foto com celular”.  O absurdo se apresenta de maneira explicita, quando a referida ala sequer fazia parte da apresentação da Mocidade, mas sim, da GRES A Pesada.

Ala Game Over em desfile pela A Pesada / Foto: Arturo Ardaya
Ala Game Over em desfile pela A Pesada / Foto: Arturo Ardaya

Os jurados confundiram até escolas do grupo de acesso com as do grupo especial, que

Justificativa novamente aponta falha dos jurados que relatam erros em alas que não fizeram parte do desfile da Pesada
Justificativa novamente aponta falha dos jurados que relatam erros em alas que não fizeram parte do desfile da Pesada

desfilaram em dias diferentes. Foi o caso da GRES A Pesada, uma das maiores prejudicadas diante do resultado, que teve pontos retirados e justificados com argumentos que também não fizeram parte de seu desfile. Em documento enviado para agremiação o jurado disse “essa escola (A Pesada), na ala dos Robôs, os integrantes entraram andando e correndo para diminuir a distância com o carro alegórico (1º carro), bem como a ala dos índios e baianas, não evoluíram a canção. Na oitava ala teve um componente tirando fotos com telefone celular”, disse.

O erro mais uma vez veio à tona quando observado que não havia nenhuma “ala dos índios”, no desfile da Pesada e a única escola que apresentou tal tema, foi a Unidos da Major Gama que se apresentou no dia anterior. Durante reunião realizada na tarde deste sábado (20), na sede da A Pesada e que contou com a presença de seis agremiações, os erros já seriam bastante para que o resultado pífio apresentado pela Liesco fosse motivo para uma ação pedindo a anulação da apuração realizada no carnaval de 2015.

Ala dos índios desfilou pela Major Gama / Foto: Arturo Ardaya
Ala dos índios desfilou pela Major Gama / Foto: Arturo Ardaya

“Além disso já estamos com nossa assessoria jurídica, tomando as medicas cabíveis junto a Liesco, no sentido de que sejam fornecidos os nomes e as qualificações do júri que seriam, segundo a entidade, membros do corpo de jurados ligados à Liesa no Rio de Janeiro. Bem como vamos solicitar o comprovante de pagamento da empresa que foi responsável pela contratação dos mesmos”, disse Ednir de Paulo membro da diretoria institucional da A Pesada.

A qualificação dos jurados corumbaenses que foram convidados a fazer parte do corpo de júri no desfile também será contestado. “Sabemos de jurados que não tem nenhuma qualificação ou conhecimento na área que foram designados para julgar as agremiações”, concluiu.

 

 

 

 

Comentários