“Garganta de Ouro”, Durvalino “dá palhinha” no samba-enredo em sua homenagem no desfile da Imperatriz

Dentro do tempo, o Grêmio Recreativo Escola de Samba Imperatriz Corumbaense, rendeu em seu desfile uma rica homenagem, já na madrugada desta terça-feira, 13 de fevereiro, a um dos artistas mais conhecidos em Corumbá. Durvalino, popularmente lembrado como “Garganta de Ouro” foi a aposta da agremiação em sua apresentação.

Ao todo, a escola levou para a Passarela do Samba, cerca de 600 componentes que agitaram a passagem da agremiação, na Avenida.

Escola contou a história de vida do “garganta de ouro do Pantanal” / Fotos: Juan Galeano

Quatorze alas dividiam os integrantes da agremiação que apostou no samba-enredo: “Durvalino, o Garganta de Ouro do Pantanal, dá o tom na Imperatriz”, para conquistar o título do Carnaval 2018.

Abrindo o desfile da Imperatriz, a comissão de frente com a fantasia “A mão dos anjos pela mão do homem”, veio representando o momento mais delicado da vida de Durvalino, quando o mesmo fora diagnosticado pelos médicos, com Paralisia Infantil. Nela, os anjos mostram a interseção de Deus no menino, através dos anjos, mas também a providencia humana através da figura do Zé Gotinha, que simboliza a vacina que trata o mal, ditando um alerta para as mães em relação a saúde de seus pequenos.

Rainha de Bateria Cecília Santana

Muito católico, o homenageado teve também a sua devoção à Santa Mãe, mostrada na Avenida. O carro abre-alas, representou a promessa feita pela sua mãe, em interseção a Nossa Senhora de Aparecida, pela tão logo recuperação de Durvalino, após ser diagnosticado com a enfermidade.

Passada toda a batalha de recuperação, depois de anos, Durvalino em meio a tantas limitações, não se deixou abalar. Enfim, começou a mostrar seu talento no mundo da música, assim, encenado pela ala nos quais relembrou sua época enquanto estudante nas Escolas Estaduais Julia Gonçalves Passarinho e João Leite de Barros, locais onde começou a engatinhar na música sertaneja.

Primeiro casal de Mestre Sala e Porta Bandeira

O alento de uma ida com tantas dificuldades sempre foi à música. As notas musicais serviram para ele, como uma forma de driblar as agruras da vida e o sentimento de completude da alma de Durvalino, que depois de anos cantando em boates, bares e palcos da vida, se consagrou ao apresentar-se para milhares de pessoas, cantando na abertura do show dos então, maiores cantores sertanejos da época, Milionário e José Rico, em 1987, no Estádio Arthur Marinho. Pela apresentação, Durvalino passou a ser conhecido na cidade como ‘Garganta de Ouro”.

Em meio ao desfile, a Imperatriz também relembrou que além de cantor, o homenageado, que vive hoje em Corumbá, atua há 35 anos, como inspetor na Escola Municipal Delcídio do Amaral, no bairro Vila Mamona. A paixão pelo futebol não foi esquecida e o Flamengo, exaltou o amor pelo futebol.

Os 75 componentes da bateria, regida pelo mestre Daniel, tendo como rainha, a belíssima Cecilia Santana, animou o público ao se apresentar com a fantasia reverenciando o mundo sertanejo, ritmo musical que ajudou a alavancar Durvalino, como músico em Corumbá.

Já ele, Duravalino, o grande homenageado da noite, veio cantando o samba-enredo ao lado dos interpretes da Imperatriz, como o “Braguinha” mostrando de vez, que realmente faz jus ao nome o qual é conhecido em Corumbá: “Garganta de Ouro”. O desfile foi encerrado com o carro alegórico Arthur Marinho, com o tradicional Galo Guerreiro, amor de Durvalino no mundo do futebol.

 

 

 

Relacionadas

Comentários