Ação nacional retira celulares das mãos de criminosos em presídios de MS

Você está visualizando atualmente Ação nacional retira celulares das mãos de criminosos em presídios de MS
  • Autor do post:
  • Post publicado:11 de dezembro de 2023

A Polícia Penal de Mato Grosso do Sul participou nesta segunda-feira (11) da 2ª Fase da Operação Mute, uma ação nacional coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. O objetivo foi identificar e retirar celulares das unidades prisionais, para combater a comunicação ilícita do crime organizado e reduzir a violência no país.

A operação envolveu policiais penais do Estabelecimento Penal “Jair Ferreira de Carvalho – Máxima, em Campo Grande, uma das principais unidades prisionais do estado. A Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) e a Gisp (Gerência de Inteligência do Sistema Penitenciário) coordenaram os trabalhos, que começaram às 7h30.

Os policiais penais usaram uma tecnologia que embaralha o sinal dos celulares e fizeram revistas nos pavilhões e nas celas. O Cope (Comando de Operações Penitenciárias) fez a contenção dos presos durante as ações.

Publicidade

99

Os celulares são as principais ferramentas do crime organizado para cometer delitos e aumentar a violência nas ruas.

EPJFC operacao mute segunda fase COPE
Operacionais do Cope realizam trabalho de contenção.

O diretor-presidente da Agepen, Rodrigo Rossi Maiorchini, disse que a operação Mute visa ampliar os resultados já alcançados na primeira fase, diminuindo a presença de celulares nos presídios, impedindo atividades criminosas e protegendo a sociedade.

“Nossa dedicação à Operação Mute reflete nosso compromisso em garantir um sistema penitenciário mais controlado, reduzindo a influência da criminalidade”, afirmou.

A operação foi a maior realizada pela Senappen (Secretaria Nacional de Políticas Penais) no contexto de combate ao crime organizado, pelo número de estados participantes, quantidade de policiais penais envolvidos e unidades prisionais estaduais.

O secretário Nacional de Políticas Penais, Rafael Velasco, destacou que as comunicações proibidas são um problema nacional com sérios impactos sociais, psicológicos e econômicos. Ele disse que a Senappen está dedicando esforços com as administrações penitenciárias dos estados e do Distrito Federal para fortalecer o sistema penal e combater todas as formas de ilícitos.

Primeira Fase

Em Mato Grosso do Sul, a primeira fase da Operação Mute ocorreu em outubro, resultando na apreensão de 187 celulares, com vistorias em sete presídios da capital e do interior. A operação contou com a participação de 161 policiais penais, sob coordenação da Gisp e da Diretoria de Operações da Agepen. Durante a ação, 16 presos foram transferidos.

Segundo a Senappen, no país, foram apreendidos 1.166 aparelhos celulares, um revólver, armas brancas e substâncias análogas a entorpecentes. A revista geral ocorreu em 68 penitenciárias, de 26 estados.