Polícia fecha criadouro de galos de rinha que seriam exportados para Bolívia

You are currently viewing Polícia fecha criadouro de galos de rinha que seriam exportados para Bolívia
  • Post author:

Campo Grande (MS) – Um homem de 47 anos, foi autuado por policiais militares do 10º BPM em Campo Grande, após ser identificado como responsável por um criadouro clandestino de galos de rinha.

PUBLICIDADE

De acordo com informações, a Polícia Militar Ambiental foi acionada e ao ser questionado a respeito dos fatos, o autor contou que apenas criava os galos, os treinava e posteriormente os animais eram exportados para Bolívia para uso em rinhas.

Os Policiais verificaram no local onde eram mantidos os animais haviam várias esporas, biqueiras artificiais, tesouras cirúrgicas, gaiolas, seringas e remédios para tratamento dos ferimentos dos galos.

Os animais eram mantidos em gaiolas de madeira e de ferro, algumas extremamente apertadas, especialmente as de madeira, com restrição de movimentos, privação de luz solar e circulação aérea inadequada, o que, por si só, caracteriza-se maus-tratos. Alguns animais apresentavam diversos ferimentos na crista e peito e apresentavam varias mutilações, com as esporas cortadas.

No local foram encontrados animais feridos e mutilados, além de material utilizado no treinamento e curativo dos animais

O material foi apreendido, além de 95 galos domésticos da espécie galo-índio (Gallus gallus domesticus). O infrator, residente no local, foi conduzido pelos Policiais Militares à delegacia de Polícia Civil na Capital e responderá por crime ambiental de maus-tratos a animais, com pena prevista de três meses a um ano de detenção.

PUBLICIDADE

A PMA confeccionou auto de infração administrativo e aplicou multa de R$ 47.500,00 contra o infrator.

Os galos e as gaiolas ficaram sob responsabilidade do autuado como fiel depositário, devido à falta de local adequado para serem levados naquele momento. Assim que se consiga um local para a destinação, todo o material será recolhido. O fiel depositário precisa manter tudo como está, sob pena de prisão e nova autuação administrativa de multa ambiental.

PUBLICIDADE