Projeto de lei quer garantir licença maternidade às mulheres em mandato eletivo na Alems

You are currently viewing Projeto de lei quer garantir licença maternidade às mulheres em mandato eletivo na Alems
  • Post author:

Projeto de Emenda à Constituição (PEC) Estadual prevê licença maternidade às mulheres ocupantes de cargo eletivo na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. A PEC 1/2022, de autoria do deputado estadual Paulo Duarte (PSB) foi apresentado nesta quarta-feira (27), durante sessão plenária.

PUBLICIDADE

A licença maternidade está expressa na Constituição Federal e é garantida às trabalhadoras urbanas e rurais e estendida às servidoras públicas. A Constituição Estadual de Mato Grosso do Sul assegura o mesmo direito social. No entanto, “as normativas federal e estadual silenciam em relação às ocupantes de mandato eletivo”.

Paulo Duarte argumenta que “por incrível que pareça, não há legislação sobre o tema. Recentemente, teve caso de uma prefeita em outro Estado que não teve direito a licença-maternidade, por não ter nada na legislação sobre isso. Entendemos isso como um vácuo legal que precisa ser sanado”.

O caso, ao qual o deputado se refere é o da prefeita de Palmas (TO), Cinthia Ribeiro (PSDB), que não teve direito a licença e montou um quarto para o filho, ao lado do gabinete. A Lei Orgânica do município não prevê licença-maternidade para as prefeitas, benefício garantido às mães que se afastam do emprego no final da gravidez ou logo após darem à luz.

Da mesma forma a lei orgânica da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul também não prevê licença-maternidade. “Se tivermos uma deputada que esteja grávida, ela não tem direito à licença-maternidade. Para a emenda tramitar na Casa de Leis, precisa de oito assinaturas. Já consegui 10. Acredito que o projeto passe pela CCJR o mais breve possível”.

PUBLICIDADE

Para o parlamentar, a inexistência desse direito é um reflexo da ausência ou do pequeno número de representantes femininas na política estadual.

“Mesmo que o cenário governamental seja predominantemente masculino é necessário, e importante, resguardar direitos ao bom exercício dos diversos papéis que as mulheres exercem na sociedade e nos seus próprios âmbitos familiares, garantindo-lhes saúde física e emocional, assim como aos seus filhos, sejam eles biológicos ou adotados de forma legal. Como podemos pensar em ampliar a representatividade feminina na política se não garantimos (a elas) o básico, que é o direito à maternidade e o convívio com a criança nos primeiros meses de vida?”, argumentou o deputado.

Caso a proposta seja aprovada, o parágrafo 4º do artigo 206 da Constituição Estadual passará vigorar com a seguinte redação:

“As ocupantes de mandato eletivo na Assembleia Legislativa gestantes ou as que adotarem crianças recém-nascidas poderão ter a licença maternidade prevista no inciso XVIII do caput do art. 7º da Constituição Federal, prorrogáveis por 60 (sessenta) dias”.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE