PF abre inquérito contra Bolsonaro por associar vacina contra covid à aids

Você está visualizando atualmente PF abre inquérito contra Bolsonaro por associar vacina contra covid à aids

A Polícia Federal (PF) abriu inquérito para apurar a divulgação de notícia falsa divulgada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) relacionando a vacina contra a covid-19 ao risco de desenvolver HIV, o vírus da aids, durante uma live transmitida nas redes sociais do chefe do Executivo. Para isso, a corporação pretende solicitar cooperação internacional com o Reino Unido e com os Estados Unidos.

Publicamente desmentida por autoridades científicas, a relação foi feita por Bolsonaro em uma transmissão nas redes sociais, no ano passado. Por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o inquérito foi aberto no dia 3 de dezembro. A Polícia Federal instaurou a apuração no dia 23 de fevereiro.

Bolsonaro é investigado nesse inquérito pelos crimes de epidemia, de infração de medida sanitária preventiva e de incitação ao crime.

O inquérito será conduzido pela delegada responsável pelo caso, Lorena Nascimento, que atua na Coordenação de Inquéritos nos Tribunais Superiores da PF. Entre as primeiras medidas, está a instrução para que a Coordenação-Geral de Cooperação Internacional cheque junto ao Departamento de Saúde e à Assistência Social do Reino Unido se o país divulgou, em seus sites oficiais, a informação de que “os totalmente vacinados […] estão desenvolvendo a síndrome de imonudeficiência adquirida muito mais rápido do que o previsto”.

A investigação também deverá conferir, no Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (Niaid), dos Estados Unidos, publicações de profissionais que compõem o instituto, em especial do médico imunologista Anthony Fauci. O objetivo é descobrir que se existem estudos concluindo que a maioria das mortes da gripe espanhola tenha acontecido devido a uma pneumonia bacteriana secundária, e que a proliferação dessa bactéria esteja associada ao uso de máscaras.

Entre outras medidas, a PF vai analisar ainda a confiabilidade de sites eletrônicos que serviram de base para as informações replicadas pelo presidente da República na live.