Com reclassificação para endemia MS poderá eliminar uso máscaras em locais fechados

Você está visualizando atualmente Com reclassificação para endemia MS poderá eliminar uso máscaras em locais fechados
Uso de mascaras poderá deixar de ser exigido em locais fechados
  • Autor do post:
  • Post publicado:4 de março de 2022

A reclassificação da covid — de pandemia para endemia — pode fazer Mato Grosso do Sul acabar com algumas restrições sanitárias na próxima semana. Com o fim da estratégia estadual, que encerrou os drives, barreiras sanitárias e o avanço da vacinação, o próximo passo é discutir a eliminação das máscaras, não só em locais abertos com a medida já existente, mas, também em alguns locais fechados.

O titular da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Geraldo Resende, disse que todas as medidas sanitárias já vigentes serão discutidas e quais delas serão abolidas nos próximos dias.

“Vamos passar para esse quadro endêmico nas próximas semanas e aí vamos conviver, cada vez mais, com a doença”, explicou.

Publicidade

99

Conforme Resende, no caso de Mato Grosso do Sul, o que se viu é que a covid terá “pequenos surtos”, principalmente em locais onde a vacinação não foi feita a contento e existe uma população mais vulnerável.

“Serão pequenos surtos aqui e acolá na população com mais debilidade. Pequenos nichos em algumas cidades”, avaliou.

Diariamente, o secretário diz que as autoridades em saúde trocam informações. “Estamos nos orientandos cada vez mais. Uma das discussões que tenho feito, por exemplo, é com o infectologista Júlio Croda que, além de ser um amigo, é uma pessoa muito conceituada e que tenho um respeito muito grande. Diante a todo este cenário, vamos discutir as medidas de flexibilização aqui, entre elas o uso de máscaras. Aqui já não é algo obrigatório em lugares abertos. Outros estados, inclusive, estão tomando essa decisão agora e isso nós fizemos desde o ano passado”, ponderou. 

Dois anos de contaminação, um ano de vacinação

No dia 18 de janeiro de 2021, por volta das 15h10, o avião da FAB (Força Aérea Brasileira) pousava em Campo Grande trazendo esperança aos sul-mato-grossenses. Com 158.766 doses da Coronavac a bordo, começava ali o capítulo mais esperado da pandemia: o início da imunização contra o vírus que cruelmente tirava a vida de centenas de moradores.

O boletim epidemiológico de MS daquela segunda-feira, 18 de janeiro, registrava 2.686 óbitos da doença e, de maneira emergencial, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberava a vacina do laboratório Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, para iniciar a campanha de imunização. Assim que as doses desembarcaram em Campo Grande, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) iniciou de imediato a distribuição aos municípios.

multivacinacao

No mesmo dia, as primeiras doses foram aplicadas no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul). Os primeiros a receberem a sonhada ‘furadinha’ no braço foram profissionais da saúde, uma idosa institucionalizada em asilo e uma senhora indígena: o médico Marcio Estevão Midom, de 44 anos; a indígena terena Domingas da Silva, de 91 anos; Maria Bezerra de Carvalho, de 84 anos, que vive no Asilo São João Bosco; e a auxiliar de enfermagem Sandra Maria de Lima.

Atualmente, MS tem 90% do total da meta vacinável, com mais de 5,3 milhões de doses aplicadas.

Fim da pandemia?

Mato Grosso do Sul atingiu mais de 90% da meta vacinável, no dia 23 de fevereiro, e caminha para tratar a Covid-19 como uma doença endêmica, algo que inclusive já é discutido em outros estados brasileiros e países do exterior. Atualmente, o novo coronavírus é considerado uma pandemia, quando a doença é encontrada em mais de um continente, com transmissão comunitária.

“Nós tivemos a meta atingida e estamos discutindo com diversos gestores. Neste momento, temos especialistas apontando que doença deixará de ser pandêmica para endêmica, assim como é a influenza e outras doenças virais. Desta forma, a covid vai estar dentro do calendário de vacinas, como algo regular”, explicou ao Jornal Midiamax o titular da SES, Geraldo Resende.

De acordo com Resende, a “demanda decresceu substancialmente”, não só no Estado, mas, em todo o país, porém, o momento ainda é precoce para discutir a retirada de medidas restritivas, como a máscara e outras medidas de biossegurança.

Pandemia X endemia

Já a endemia é o nome dado a um fator que interfere negativamente na saúde de uma população, como uma doença que pode ser ou não contagiosa ou até mesmo violências que já se tornaram comuns em determinadas regiões. A endemia, no entanto, não está relacionada a uma questão quantitativa.

Uma doença endêmica é aquela que se manifesta com frequência em determinadas regiões, geralmente provocada por circunstâncias ou causas locais. Ou seja, a população convive constantemente com a doença. Um exemplo disso é a varicela que, em muitos países, tem casos registrados anualmente. Ou a malária, que em partes da África e do Brasil é uma infecção considerada endêmica.

Por aqui, ainda consideramos endêmicas doenças como a dengue e a febre-amarela, que provocam surtos em determinadas regiões todos os anos.