Investigação da PF aponta troca de tratamento médico por votos nas eleições em Corumbá

You are currently viewing Investigação da PF aponta troca de tratamento médico por votos nas eleições em Corumbá
  • Post author:

Corumbá (MS)- A Operação “Mercês” deflagrada pela Polícia Federal no dia 19 de outubro de 2021 em Corumbá, teve como alvo – para cumprimento de mandados de busca e apreensão – três vereadores que integram a atual legislatura.

PUBLICIDADE

Os vereadores Youssef El Sala, Allex do Prado Dellas e Manoel Pereira Rodrigues, são investigados em inquérito sobre um suposto esquema que contou ainda com a participação dos servidores públicos da prefeitura de Corumbá, Marconi de Souza Junior (Chefe de gabinete do prefeito Marcelo Iunes), Mariluce Gonçalves Leão de Almeida (Técnica de saúde Pública II) e Luiz Antônio da Silva (Secretário de Governo da administração Marcelo Iunes).

A reportagem do Folha MS teve acesso à integra do processo que motivou a ação da Justiça Eleitoral, após o fim do sigilo de 15 dias sobre a ação determinada pela justiça.

O documento menciona a representação feita contra os investigados em supostos crimes que teriam ocorrido durante a campanha eleitoral de 2020, visando angariar ilegalmente votos no pleito do ano corrente.

Os vereadores Alex do Prado Della, Yussef El Sala e Manoel Rodrigues estão entre os alvos da operação Mercês

Ainda segundo o documento, os investigados teriam atuado fornecendo a seus eleitores, acesso privilegiado a tratamentos de saúde em troca de votos, supostamente favorecendo os vereadores citados no processo de investigação.

PUBLICIDADE

O fato foi, comunicado ao presidente da Câmara Municipal de Corumbá, Vereador Roberto Façanha. No ofício, o chefe do poder legislativo foi informado sobre o escopo do processo, já que o mesmo abrange entre os investigados, membros do poder legislativo que estariam supostamente envolvidos no esquema.

A nota reforça que a conduta dos parlamentares descritas nos autos, é passível a configuração de crime eleitoral previsto no artigo 299 do Código Eleitoral. A íntegra dos autos foi anexada ao ofício para conhecimento do presidente da casa e para adoção de eventuais providências que o legislativo entender ser cabíveis a serem adotadas em relação aos parlamentares.

A reportagem do Folha MS procurou o presidente da Câmara Municipal bem como os parlamentares citados no processo a respeito dos fatos.

O presidente do poder legislativo, informou que o documento chegou até a Câmara e permanece sob responsabilidade do setor jurídico da casa de leis, responsável por interpretar e orientar qual decisão será tomada, respeitando o direito da ampla defesa.

PUBLICIDADE

“Não existe processo contra os vereadores. Existe uma investigação em curso que se iniciou no ano passado e culminou nos mandados de busca e apreensão citados. Então, a situação é a seguinte: não tem mandado judicial para afastamento, a justiça encaminhou para mesa diretora o inquérito sobre a investigação para conhecimento e adoção das medidas que no desenrolar dos fatos forem necessárias”, pontuou Façanha.

O vereador Yussef El Sala, comentou que não foi citado ou recebeu qualquer comunicado da Câmara municipal sobre o ofício. Ele não se pronunciou sobre o fato do cumprimento do mandado de busca e apreensão realizado pela Polícia Federal.

A reportagem entrou em contato com os vereadores citados nos autos, mas não obteve resposta até a publicação da matéria. O site Folha MS mantém à disposição o canal de comunicação para divulgação dos esclarecimentos e posicionamentos que entenderem ser cabíveis.

PUBLICIDADE