Vereador sugere que Governo do Estado assuma administração da Santa Casa de Corumbá

You are currently viewing Vereador sugere que Governo do Estado assuma administração da Santa Casa de Corumbá
Façanha diz que é preciso que todos estejam engajados na busca de soluções para tirar a Santa Casa do vermelho (Foto: Ascom)
  • Post author:

Na terça-feira, 24, o presidente da Câmara Municipal, vereador Roberto Façanha, fez um relato sobre os problemas que se acumulam por mais de 24 anos, culminando com atrasos de pagamento de médicos e servidores, e até pedidos de demissões de médicos.

O assunto tem sido amplamente debatido pelos vereadores corumbaenses e, ontem, o presidente foi taxativo ao afirmar que a saída está na “união de esforços das autoridades, municipais, estaduais e federais, e a participação do Ministério Público Estadual, com todos atuando de forma firme, na busca de soluções para os problemas financeiros da Santa Casa”.

PUBLICIDADE

Façanha lembrou que o MPE desencadeou o processo de intervenção, por meio de um acordo judicial, culminando com a criação de uma Junta Interventora para administrar o hospital. Isso ocorreu em 2010. Na época, ficou estabelecido que Governo do Estado era responsável pela destinação mensal de R$ 70 mil, outros R$ 50 mil caberia à Prefeitura de Corumbá, e R$ 20 mil à Prefeitura de Ladário.

Façanha ressaltou ainda que o Hospital é mantido com recursos do Município e do Estado, como parte da contratualização. Só Corumbá repassa cerca de R$ 700 mil mensais. Mas, a instituição sofre em demasia quando o assunto está relacionando ao SUS, cujos valores repassados, “não são suficientes nem para compra de material necessário para uma cirurgia eletiva”.

PUBLICIDADE

Citou que é necessário um trabalho em parceria, e que a Câmara vai buscar um encontro com o Ministério Público Estadual, órgão extremamente importante na atual situação, principalmente no apoio às autoridades, e buscar saídas para salvar o único hospital da região, inclusive com balanços mensais para mostrar onde os recursos estão sendo aplicados.

“O que não pode é o hospital iniciar o mês sempre com dívidas. E isso tem acontecido na Santa Casa de Corumbá”, observou. “Os recursos que entram, tanto do Estado, como do Município e da União, têm que ser superiores aos valores das despesas que o hospital tem com água, luz, telefone, pagamento de pessoal, pagamento de plantão, compra de medicamentos e de insumos. Não existe empresa pública ou privada que sobrevive iniciando todos os meses com o caixa no vermelho”, continuou.

Antes de finalizar, enalteceu o trabalho dos vereadores para que o hospital esteja em condições de bem atender a população. Sugeriu inclusive que a Santa Casa seja administrada pelo Governo do Estado, transformando-a em um hospital regional, aproveitando o fato de estar investindo na construção de um novo Pronto Socorro moderno.

PUBLICIDADE