Com edição de MP, governo deixa de fornecer internet gratuita para escola pública

Você está visualizando atualmente Com edição de MP, governo deixa de fornecer internet gratuita para escola pública
(Foto: Monique Renne/CB/D.A Press - 17/5/13)

O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória para deixar de fornecer internet gratuita às escolas públicas. A MP retira o prazo para que o governo repasse R$ 3,5 bilhões para garantir acesso a professores e alunos de instituições públicas de ensino básico. O texto foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) da última quarta-feira (4/8).

Bolsonaro já havia vetado a lei que determinava o repasse do dinheiro para essa área, mas a negativa foi derrubada em sessão do Congresso em 1º de junho. De acordo com a regra, a União teria até o dia 10 de junho para encaminhar o valor.


O Poder Executivo entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF), que não suspendeu a lei, mas estendeu o prazo de cumprimento para a última quarta-feira. No mesmo dia, o presidente publicou a MP — que entra em vigor a partir do momento da publicação, mas, para ter validade permanente, precisa ser aprovada pelo Congresso em até quatro meses — que retira o prazo na edição extra do diário.

Na ação encaminhada ao STF, o governo argumentou que a lei “criou situação que ameaça gravemente o equilíbrio fiscal da União, mediante o estabelecimento de ação governamental ineficiente, que obstará o andamento de outras políticas públicas”.


O deputado Idilvan Alencar (PDT-CE) criticou a medida nas redes sociais e parafraseou a declaração de Paulo Guedes, sobre o adiamento do pagamento de precatórios. “Em vez de pagar, fomos surpreendidos por uma medida provisória que acaba com o prazo previsto na lei. Temos um novo slogan de governo: ‘Devo, não nego, pago quando puder”, escreveu Alencar, lembrando da frase do ministro da Economia para justificar a proposta que prevê o parcelamento de precatórios devidos pela União.

“É um verdadeiro golpe na Educação, porque nós já estamos há mais de um ano e meio na pandemia. A gente precisa de internet já. Não adianta ser quando o governo quiser ou do jeito que puder”, completou a deputada Professora Dorinha (DEM-TO), uma das autoras da proposta da Lei 14.172/21, que previa a internet para a rede pública.


Thiago Gomes, diretor do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sindepes-DF), explica que “as desigualdades no acesso à internet têm sido um dos principais problemas para a manutenção de aulas na pandemia no esquema remoto”.

Participe da lista VIP do WhatsApp do  FOLHA MS e receba as principais notícias no seu celular