Ex-delegado vai recorrer da sentença que o condenou a 20 anos de prisão

You are currently viewing Ex-delegado vai recorrer da sentença que o condenou a 20 anos de prisão
Fernando chega ao Fórum na última quarta-feira, com políciais do GOI (Foto: Marcos Maluf)

Campo Grande (MS)- A defesa do ex-delegado Fernando Araújo Cruz, condenado a pouco mais de 20 anos de prisão pela morte de um cidadão boliviano na cidade de Corumbá em 2019, irá recorrer da sentença.

PUBLICIDADE

A tentativa de reforma da decisão da justiça foi confirmada pelo advogado que representou o ex-servidor no júri popular que ocorreu na última semana. Apesar de adentrar com a apelação, o advogado Irajá Pereira Messias informou à reportagem publicada pelo site Campo Grande News, que está deixando o caso.

Fernando foi condenado pelo assassinato do boliviano Alfredo Rengel, 48 anos, dentro de uma ambulância, em fevereiro de 2019. A defesa alegou, no júri, ausência de provas cabais contra o cliente, elas a de que se tratava da camionete S-10 de Fernando, no momento do assassinato.

O veículo de socorro transportando o boliviano, já ferido, foi bloqueado no meio da estrada para conclusão do crime. O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), por sua vez, defendeu haver provas cabais e ainda, que foram descobertas ações do investigado, com ajuda de colegas de polícia, um deles também réu no processo, para coagir testemunhas e embaraçar as investigações.

Por exemplo, segundo detalhado, foram feitas mudanças nas características da camionete de Fernando, para alteras aquelas apontadas pela perícia. O veículo nunca foi apresentado, sob pretexto de ter sido “penhorado” pelo réu.

PUBLICIDADE

Foram listadas como indícios dos crimes as conversas rastreadas em celulares e em parte delas, o ex-delegado discute com o outro policial sobre como enganar a apuração da Corregedoria da Polícia Civil.

Fernando foi condenado por homicídio duplamente qualificado, coação e fraude no processo. O outro acusado, o agente de polícia Emmanuel Contis Leite, 32 anos, seria julgado no mesmo dia que o delegado, por coação e fraude processual, mas conseguiu desmembrar o processo. A nova data ainda não está definida.

PUBLICIDADE