Mês de julho registrou queda de 42% em focos de calor no Pantanal

You are currently viewing Mês de julho registrou queda de 42% em focos de calor no Pantanal
  • Post author:

Neste mês de julho, os pontos de calor detectados pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) reduziram em 42% se comparados com o mesmo período do ano anterior. De 01 a 31 de julho de 2021, o INPE detectou 479 focos de calor, já no mesmo período deste ano, foram registrados apenas 278 focos.

PUBLICIDADE

Apesar de haver outras variantes que podem ter colaborado para essa redução dos focos, por exemplo, umidade relativa do ar e variação das chuvas no período, é notório que a forte presença do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul realizando os trabalhos de combate, prevenção e monitoramento dos incêndios florestais na região do bioma Pantanal tem contribuído para este resultado.

Segundo o major Shiroma, comandante da Operação Pantanal 2022, neste ano a corporação está empenhando 100 bombeiros por mês para proteção do Pantanal: “só nos últimos 15 (quinze) dias as guarnições visitaram 83 propriedades rurais com intuito de orientar os proprietários e responsáveis sobre os cuidados para prevenção dos incêndios, bem como, realizar o mapeamento das rotas estratégicas para um eventual combate. Nestes trabalhos de prevenção também são verificados os recursos disponíveis em cada propriedade para eventual apoio na região” destacou o comandante.

Militares do Corpo de Bombeiros atuam na prevenção e combate aos focos de incêndios florestais no Pantanal

Um dos trabalhos que tem sido bastante efetivo é o monitoramento dos focos de calor na região.

“O objetivo é trabalhar na prevenção para que os focos não ocorram. Mas como é sabido que somente a prevenção não é suficiente, realizamos o monitoramento em diversas plataformas para tentar localizar os pontos de calor o mais breve possível para despachar as viaturas para os combates. A ideia é prevenir para não ocorrer os incêndios, mas caso eles ocorram, com o monitoramento, conseguiremos chegar muito mais rápidos para os combates, o que nos dá mais chances de debelar em menos tempo e consequentemente teremos menos áreas queimadas e mais vidas salvas” pontuou o capitão Eliel Rodrigues, Chefe de Operações e Oficial de Informações Públicas da operação.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE