Duas onças-pintadas e mais 15 animais são encontrados mortos no Pantanal em Corumbá

You are currently viewing Duas onças-pintadas e mais 15 animais são encontrados mortos no Pantanal em Corumbá
onças foram encontradas por pesquisadores com sinais de envenenamento

Pesquisadores do Instituto Reprocon (Reprodução para Conservação), encontraram na última semana, duas onças-pintadas e outros 17 animais, entre entre urubus, gavião carcará, cachorro-do-mato e centenas de moscas, todos mortos, em meio ao Pantanal de Corumbá.

De acordo com informações, a suspeita é de uso indevido de defensores agrícolas proibidos dentro do mercado brasileiro.

PUBLICIDADE

Entre os felinos, estava um jaguar macho adulto de aproximadamente 140 quilos encontrado ao acaso no caminho para a localização da onça pintada “Sandro”, que até então recebia monitoramento via colar de radiotelemetria e GPS pelo Reprocon. Ambos não possuíam marcas de tiro, briga ou outros sinais de abatimento. A missão de busca pela coleira aconteceu no último fim de semana.

Conforme Pedro Nacib, 36 anos, pesquisador e médico veterinário do instituto, no início de maio o colar havia acusado a morte de Sandro – isso por meio de análise de padrões de movimentação da onça. Entretanto, só foi possível ir presencialmente até o local no sábado do dia 12 de junho – um mês depois. Foi então que o outro felino não-monitorado pelo Reprocon, além de outros 17 animais, foram todos encontrados mortos.

Na ocasião, outros 17 animais também foram encontrados mortos, entre eles 14 urubus (Foto: Pedro Nacib/Reprocon)

“O colar traz informações muito importantes em relação ao comportamento da onça pintada, como hábitos de alimentação e reprodutivos, por exemplo. Ajuda a estudar e entender o por quê é que ocasionalmente o animal ataca o gado”, esclarece o pesquisador. Pedro complementa que o monitoramento permite mapear a chamada cluster zone, que nada mais é a área onde a onça faz sua alimentação.

Notificados, os órgãos responsáveis, a Polícia Federal entrou em contato para que a equipe do instituto retornasse ao local, desta vez na companhia do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Segundo análise dos agentes de fiscalização, a suspeita de uso de veneno ilegal proveniente da fronteira “é forte”.

Carçada de cachorro-do-mato; local, estado e estágio de decomposição são característicos (Foto: Pedro Nacib/Reprocon)

“Caso seja comprovada essa hipótese, sem dúvida se trata de algo criminoso e cruel. Esse tipo de veneno pode deixar resíduos tanto na carcaça quanto no solo por pelo menos 6 meses – o que fica caracterizado pela maneira com que os animais morreram e foram encontrados. Quem fez isso sabia o que ocorreria com quem tivesse contato”, afirma Pedro.

Na ocasião, foi feita a coleta de materiais biológicos para análise em laboratório pelos agentes. A propriedade rural onde todos os animais foram encontrados já foi notificada e responderá legalmente pelo ocorrido.

“A realidade é que tanto o agricultor quanto o pecuarista fazem parte de toda a camada de conservação ambiental. Hoje em dia, nós ambientalistas dialogamos com eles para levar conhecimento e informações, principalmente de como é possível continuar produzir e conservar ao mesmo tempo, de modo que a onça não se trate de um problema. Caso contrário, situações como essa continuarão acontecendo”, finaliza o médico veterinário.

As informações são do site O Pantaneiro