Peso do ouro: Zanetti soberano e Léo voa em dia de seis topos de pódio

Revezamento 4 x 100m livre da natação precisa baixar o tempo, Isaquias vence fora da sua especialidade, e judocas Luciano Correa e David Moura têm caminho tranquilo

O desempenho do Brasil no Pan sempre dá esperança aos torcedores em relação às medalhas nas Olimpíadas no ano seguinte. Especialmente desta vez, quando os Jogos de 2016 serão disputados no Rio de Janeiro. Pensando nisso, o GloboEsporte.com analisa cada medalha de ouro da delegação verde-amarela em Toronto 2015 dando o peso que cada uma delas tem no cenário mundial. Em caso de esporte ou prova não olímpica, o atleta ficará sem avaliação.

Peso do Ouro Arthur Zanetti - argolas 2 (Foto: GloboEsporte.com)Atual campeão olímpico e vice mundial em 2014, o ginasta continua dominando a prova de argolas. É verdade que não precisou se esforçar tanto em Toronto. Sua nota 15.725 está abaixo dos 15.900 que obteve em Londres e é menos que os 15.733 que lhe deram a prata no Mundial de Nanning. Na fase classificatória do Pan, Zanetti obteve 15.800. Seu grande adversário é o chinês Liu Yang. Para ser bi nas Olimpíadas Rio 2016, o brasileiro precisa voltar a alcançar os 15.900, mas mantendo o nível das últimas competições, a medalha é quase certa.

Peso do Ouro Leonardo de Deus - Natação - 200m borboleta (Foto: GloboEsporte.com)Léo voou em Toronto e o seu tempo de 1m55s01 foi recorde do Pan. Está claramente em ascensão. Fez 1m58s03 em Londres 2012 e nem foi à semifinal, melhorou para 1m56s44 no Mundial de Barcelona, em 2013, e ficou em sexto. O tempo do Pan teria sido prata na Espanha e quinto nas Olimpíadas. É claro que há evolução no passar dos anos e o principal expoente da prova, o sul-africano Chad Le Clos, costuma nadar abaixo de 1m50s00. O Mundial de Kazan, em agosto, vai situar melhor a posição de Léo no cenário mundial.

Peso do Ouro Revezamento masculino - natação (Foto: GloboEsporte.com)Vitórias em provas de revezamento empolgam, mas é importante lembrar que os EUA não estão com sua equipe principal, apesar de Cullen Jones, que fez parte do time vice olímpico em Londres, ter nadado em Toronto. Nas últimas Olimpíadas, o Brasil ficou fora da final. O tempo, que foi recorde do Pan, daria à equipe verde-amarela o sétimo lugar em 2012 e o sexto no Mundial de Barcelona, um posto acima da sua posição na competição em 2013. Se Cielo fizer parte do revezamento, esse tempo pode baixar. Uma medalha olímpica, porém, ainda é um sonho distante.

Peso do Ouro Isaquias Queiroz, canoagem 2 (Foto: GloboEsporte.com)A competição de 200m da canoa só passou a ser olímpica em 2012 e vem evoluindo muito no atual ciclo. O tempo da vitória no Pan de 39s991 seria ouro em Londres, quando a prova foi vencida pelo ucraniano Cheban em 42s291. Esse parâmetro, porém, ficou para trás. Com a dedicação dos principais canoístas à prova, Isaquias nem teria ido à final no Mundial da Rússia em 2014. O campeão obteve 38s137 e o nono finalista 39s604. Os 200m não são a especialidade do brasileiro, que tem, de fato, mais chances de medalha nos 1.000m.

Peso do Ouro Luciano Correa - Judô - Peso meio-pesado (Foto: GloboEsporte.com)Com três adversários pouco cotados, o brasileiro de 32 anos fez valer a sua experiência para chegar ao bi do Pan. O título de campeão mundial de 2007 não pode ser esquecido, mas ele colecionou decepções, especialmente em Olimpíadas, e deve ter uma chance final de redenção na mesma cidade em que alcançou o topo do mundo: o Rio. Em Toronto, estava na disputa o número 10 do mundo José Armenteros, de Cuba, que não chegou à final contra Luciano (14º), pois perdeu para o canadense Marc Deschenes (50º). O dono da casa não foi páreo para o brasileiro.

Peso do Ouro David Moura - Judô - Peso pesado (Foto: GloboEsporte.com)Como toda medalha, merece muita comemoração. Mas a própria participação de David nas Olimpíadas é bem difícil. O seu principal adversário é o vice-campeão olímpico Rafael Silva, o Baby, segundo do ranking mundial – Moura ocupa uma honrosa 12ª posição. Além disso, seus rivais no Pan não tem títulos de vulto no currículo e ocupam posições intermediárias ou baixas no ranking mundial. Fica o alento, caso Baby não possa disputar as Olimpíadas: há um substituto à altura.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: