Órgãos de segurança do Brasil que fazem fronteira com à Bolívia se reunirão em Corumbá em novembro

Encontro com segmentos de segurança das fronteiras entre os dois países abordará rubo e furto de veículos nessas áreas- Foto: Leonardo Cabral

Durante reunião o qual participaram o diretor-executivo da Agência Municipal de Segurança Pública (Ageseg), o tenente-coronel César Freitas Duarte e o assessor especial do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, Jorge José Pinto de Castro, na cidade de Santa Cruz de La Sierra- Bolívia, ficou acordado entre os dois países, uma reunião, em Corumbá, com todas as regiões que fazem fronteira com o país vizinho.

No encontro, a pauta discutida será demandas de segurança relacionadas ao roubo e furto de veículos nas zonas fronteiriças entre os dois países.

Formalizado para final de novembro, o encontro trará ao município pantaneiro todos os segmentos de segurança pública localizados nas fronteiras entre Brasil e Bolívia, dando assim, sequência nos entendimentos de planos de segurança.

“A intensão é reunir todos os departamentos de Polícias que fazem fronteira entre Brasil e Bolívia, ou seja, outros Estados, e proporcionar uma troca de informação, no intuito de impedir esse tipo de crime, que é o roubo e furto de veículos. Na reunião, foram expostas dificuldades e também estratégias de segurança entre as duas nacionalidades, para impedir de vez esse roubo, onde mesmo ele acontecendo, haverá um trabalho de inteligência para que o carro seja localizado”, explicou Freitas.

Ainda segundo Freitas, houve uma série de debates no qual foram falados assuntos sobre a atuação das forças de segurança aqui do município e de qual maneira podem atuar.  “Este tipo de criminalidade afeta diretamente a população, pois os veículos roubados estão relacionados em sua maioria, como forma de alimentar o tráfico de drogas, o que reflete diretamente no meio social. Por isso, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira nos deu a determinação para que fizéssemos essa aproximação com a Bolívia e fomos convidados para essa reunião nacional, sendo agraciados com a medalha ‘Emblema de Ouro’, que é oferecida a quem se destaca na cooperação com o país”, afirmou Freitas.

Na oportunidade, Freitas enfatizou que a preocupação do Município é o fato de a fronteira ser muito extensa e permeável. Existem muitas estradas para a Bolívia, chamadas “cabriteiras”, que possibilitam a rápida saída do veículo roubado, tanto do município de Corumbá quanto dos Estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro.

O diretor da Ageseg espera que agora, quando houver roubo ou furto de veículos, a informação possa ser rapidamente repassada às autoridades bolivianas e a troca de informações entre os dois países possa fortalecer a segurança na fronteira.

“Essa é uma expertise que eu trouxe da Polícia Militar, quando comandei o 6º Batalhão, e agora a gente potencializa isso com a Prefeitura que vem dando total respaldo para que procurássemos essas autoridades e estreitássemos os laços com elas”, finalizou Fretas.

A reunião em Santa Cruz de La Sierra aconteceu nos dias 05 e 06 de outubro. O encontro foi realizado por meio da Divisão de Prevenção a Roubos e Furtos de Veículos da Bolívia (Diprove).

Veículos recuperados em 2017

Só neste ano de 2017, três veículos foram recuperados pelos militares da Diprove, sendo duas motocicletas e um veículo. Na oportunidade, um homem de nacionalidade boliviana teria sido detido, acusado de receptar uma dos veículos (moto) em sua residência na cidade de Porto Quijarro. Já a o carro, que foi roubado em Corumbá, teria sido localizado no dia 6 de setembro, escondido em um matagal nas proximidades do aeroporto de Puerto Suarez, na Bolívia. O veículo que estava sem placas, foi devolvido ao dono, morador do bairro Popular Nova

Repatriação

Desde fevereiro de 2013, após tratativas entre o governo dos dois países e da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), responsável por arcar com os custos do transporte dos veículos na época, a Bolívia iniciou o processo de repatriação de carros e motocicletas roubados ou furtados no Brasil, que eram levados para o outro lado da fronteira e que estavam em situação irregular no país andino.

Inicialmente, 300 veículos foram trazidos em caminhões cegonha a partir de Puerto Quijaro, fronteira com Mato Grosso do Sul. Os veículos foram levados até o pátio da delegacia de furtos e roubos de veículos de Campo Grande, onde, depois de periciados, seriam devolvidos aos seus proprietários.

Porém todo o processo teve início em 2011, quando o governo boliviano editou uma lei para regularizar, através da internet, os carros com documentação em situação irregular no país. (Com informações ASCOM PMC). 

Relacionadas

Comentários

%d blogueiros gostam disto: