Após resultado incoerente presidente da Liesco sai escoltado da apuração; veja o vídeo

Presidente da Liesco teve de sair escoltado ao final da apuração / Foto: Arturo Ardaya
Presidente da Liesco teve de sair escoltado ao final da apuração / Foto: Arturo Ardaya

Corumbá (MS)- O resultado do grupo especial do carnaval de Corumbá, além de surpreender a todos, inclusive as próprias escolas de samba, gerou um clima de revolta entre as agremiações e participantes da maior festa popular do Centro-Oeste brasileiro. Mostrando nitidamente que o resultado não reflete o que foi apresentado na passarela, a Liesco bem que tentou justificar as notas apresentadas pelos jurados dizendo que a apuração levou em consideração quesitos técnicos.

“O que muitos não entendem é que temos escolas que não sabem fazer a coisa como deve ser, o que adianta trazer carros bonitos se deixam garrafa pet e até carteira de cigarro em cima das alegorias, e tudo isso é visto pelos jurados”, disse o presidente da Liesco afirmando que não pretende mudar a forma de elaborar o júri durante sua gestão.

O fato é que, o que era para ser uma festa, virou polêmica, decepção e revolta. A diretoria da GRES A Pesada, uma das escolas mais prejudicadas após a divulgação das notas, afirmou que o resultado foi extremamente incompatível. “Estou decepcionado com os dirigentes desse carnaval de Corumbá, não dá para entender os critérios, falam tanto em trazer jurados do Rio de Janeiro e o resultado é essa vergonha”, disse Neldivaldo Colombo o “Gugu”.

A agremiação recebeu o apoio até dos demais dirigentes de escolas de samba que não acreditavam no resultado final que levou A Pesada para o grupo de acesso do carnaval de Corumbá. “Não sei que critério faz um jurado dar notas tão diferente para os mesmos quesitos, parece até que estavam vendo outro carnaval, poderíamos até imaginar A Pesada não sendo campeã, mas ser rebaixada enquanto escolas que apresentaram um desfile muito inferior, conquistam um resultado melhor é inadmissível”, disse Luis Bosco Delgado presidente da Mocidade Independente da Nova Corumbá.

Após a divergência entre o que foi apresentado na avenida e as notas incoerentes dos jurados, o final não poderia ser diferente. A saída do presidente da Liga Independente das Escolas de Samba de Corumbá foi cercada de confusão e um início de tumulto.

Padilha teve de ser escoltado pela Polícia Militar e agentes de faziam a segurança do evento. Aos gritos de “Marmelada” e “bandido”, algumas pessoas mais exaltadas chegaram a arremessar objetos contra o carro da Polícia em que o presidente estava e foram detidas pelos policiais, ao todo três pessoas foram encaminhadas para 1ª DPC de Corumbá.

 

Comentários